Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-settings.php on line 472

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-settings.php on line 487

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-settings.php on line 494

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-settings.php on line 530

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::start_lvl() should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 594

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::end_lvl() should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 594

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::start_el() should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 594

Strict Standards: Declaration of Walker_Page::end_el() should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 594

Strict Standards: Declaration of Walker_PageDropdown::start_el() should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 611

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::start_lvl() should be compatible with Walker::start_lvl(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 705

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::end_lvl() should be compatible with Walker::end_lvl(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 705

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::start_el() should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 705

Strict Standards: Declaration of Walker_Category::end_el() should be compatible with Walker::end_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 705

Strict Standards: Declaration of Walker_CategoryDropdown::start_el() should be compatible with Walker::start_el(&$output) in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/classes.php on line 728

Strict Standards: Redefining already defined constructor for class wpdb in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/wp-db.php on line 306

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/cache.php on line 103

Strict Standards: Redefining already defined constructor for class WP_Object_Cache in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/cache.php on line 425

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/query.php on line 21

Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/theme.php on line 623

Strict Standards: Redefining already defined constructor for class WP_Dependencies in /home/naluvaz/nacorrenteza/blog/wp-includes/class.wp-dependencies.php on line 15
Na Correnteza» Arquivo do Blog » Casa aprovada pelo PAC é destruída no Borel

Casa aprovada pelo PAC é destruída no Borel

Matéria originalmente publicada em http://midiaequestaosocial.blogspot.com

Gisa não consegue esconder a tristeza ao rever a casa destruída

Gisa não consegue esconder a tristeza ao rever a casa destruída

Fotos: Ana Lúcia Vaz e Gizele Martins

Gislaine de Oliveira, ou Gisa, viu o chão de sua cozinha cair, no Morro do Borel, depois que a parede dos fundos foi destruída pelo desabamento de pedaços de concreto, durante o temporal da madrugada de terça-feira, 6 de abril. De onde veio o concreto que destruiu a parede da casa? Aparentemente dos restos de uma construção derrubada pelo governo, anteriormente.

Gisa comprou a casa em novembro do ano passado, depois de aprovada pelos técnicos do PAC. Ela recebeu 9 mil do Programa para sair de sua antiga casa, cuja localização foi considerada de risco. A casa nova, mais segura na avaliação dos técnicos do governo, custou 10.600 reais. Gisa pagou do próprio bolso a diferença.

Três pessoas morreram e várias ficaram feridas durante a madrugada de terça-feira, na favela do Borel, Zona Norte do Rio de Janeiro. Diante da tragédia, boa parte das conversas de cariocas e fluminenses, nos últimos dias, tem sido pautada pela discussão sobre se é ou não razoável insistir em morar numa casa construída em área de risco. Como se houvesse uma fronteira perfeitamente demarcada entre risco e não-risco. Caminhar pelas encostas do Borel, guiada por moradores que vão explicando o mapa caótico dos vários programas de urbanização das favelas, é uma aula e tanto sobre a imprecisão dessas fronteiras.

A casa marcada pela SMH continuava alagada 3 dias após os desabamentos

A casa marcada pela SMH continuava alagada 3 dias após os desabamentos

Na maioria das áreas onde houve desabamento, no Borel, é possível encontrar as vigas laranjas colocadas pelos técnicos do PAC. Elas demarcam as áreas consideradas de risco contempladas pelo programa, antes das verbas acabarem. Houve desastres acima e abaixo delas. Mas há casas desapropriadas que não foram derrubadas. Acabaram invadidas por outras famílias. “Essas famílias, agora, estão lá no Ciep, também!”, critica uma moradora.

Também são muitas as casas rachadas, parcialmente destruídas ou mesmo sob evidente risco, neste momento, pintadas com as inscrições SMH (Secretaria Municipal de Habitação). Essas inscrições indicam a necessidade de desapropriação identificadas pelos técnicos do Favela-Bairro, da prefeitura. Mas muitas não chegaram a ser desapropriadas. As famílias continuam esperando a continuidade do projeto.

À wsquerda, a casa de Sérgio e Graça, à direita, a de seu pai

À wsquerda, a casa de Sérgio e Graça, soterrada. À direita, a de seu pai, destruída

Seu Antônio perdeu a casa onde morava há mais de 20 anos. O filho, Sérgio Luiz, casou e construiu ao seu lado. “Durante o Favela Bairro, a prefeitura já tinha dito que era área de risco, que ia tirar nossa casa. Depois, a Defesa Civil interditou, deu um papel dizendo que a casa estava interditada… Mas ir pra onde?”, pergunta Maria da Graça Davi, esposa de Sérgio. Eles esperavam a vez de receber a indenização que lhes permitiria buscar alternativa de moradia.

O que mudou nos últimos 20 anos, para a área tornar-se de risco? Nada, garante Sérgio. Durante o Favela-Bairro, a Prefeitura esvaziou e derrubou todas as casas que existiam acima da dele e reflorestou a encosta. E por que agora desabou? “As chuvas foram mais fortes!”, avalia.

Sérgio Luiz e Maria da Graça

Sérgio Luiz e Maria da Graça

Patrícia, sentada e Andréia em pé

Patrícia, sentada e Andréia em pé

Muitas famílias perderam casas construídas há 20, 30 anos ou até mais. Andréa e Patrícia Melo são irmãs e moram lá desde que nasceram. Construíram suas casas próximas à casa da mãe. Agora, as três estão desabrigadas junto com oito crianças.

A casa de cima desceu arrastando outras

A casa de cima desceu sobre outras

Celso Cesário Cruz chegou a sair da favela, por algum tempo, para viver no Méier, pagando aluguel. Mas a vida apertou. Ele trabalha recolhendo e vendendo material reciclável. Explica que o papelão baixou de R$0,20 para R$ 0,10 e o ferro de R$ 0,30 para R$ 0,21 o quilo. “Isso pra eles comprarem de mim. Se a senhora for lá comprar deles, é 40 a 50 centavos só o quilo do papel. Dá pra arrumar 15 ou 20 reais num dia, quando dá!” Celso voltou para sua antiga casa no Borel e garante que nunca lhe disseram que fosse área de risco. Agora está desabrigado.

É verdade que construir na encosta de um morro é sempre uma opção de risco. Aliás, morar no Rio de Janeiro é uma opção de risco. Mas imagine a confusão se o governador decidisse dizer que quem morre de bala perdida ou acidente de trânsito – bem mais provável do que por desabamento de encosta – morreu por escolher o risco!

Para onde correr do risco?
No final da semana de chuvas, a discussão entre os desabrigados alojados no Ciep da rua São Miguel, no Morro do Borel, era o aluguel social oferecido pela Prefeitura: R$ 250 por três meses. “Estão prometendo para segunda-feira, vamos ver, né?!”, comenta Rose, da associação de moradores, que não consegue disfarçar certa incredulidade com a eficiência do Estado.

Mas os desabrigados acreditavam. “A emergência é porque o interesse é desocupar a escola”, explica Gisa. “Tem que ver o que a gente escuta aqui! Ontem eu saí chorando da reunião. Praticamente colocaram a gente contra a parede. Se não aceitar (o aluguel) é rua!”, desabafa outra alojada. A primeira pergunta de todos é a mesma: “E depois de três meses, como fica?” Nelson Aguiar, administrador-regional da Tijuca, afirma que “não vai ficar ao Deus dará”. E quais serão as próximas medidas? “Eu não posso dizer, neste momento, o que vai ser, quais as possibilidades, mas tem muitas, está vindo uma verba de 90 milhões.”

Estrada que liga Borel ao Andarái interditada

Difícil confiar! Ainda mais para quem está alojado no Ciep, em frente à antiga creche onde, até hoje, ainda vivem desabrigados das enchentes de 1988. Eles receberam três meses de aluguel social e alguns ainda esperam pelas promessas do governo. Se os desabrigados deixarem o Ciep, liberando o espaço público, fica fácil para o governo se desresponsabilizar. O risco é grande.

Na quarta-feira seguinte, os desabrigados decidiram fechar a escola, para pressionar a prefeitura que, até então, como previa Rose, não havia resolvido nada.

Rose, uma das diretoras da Associação de Moradores do Borel, que ajuda na organização do acampamento, não sabe precisar quantas famílias nem quantas crianças estão alojadas no Ciep. “São 300 famílias em áreas de risco”, afirma com alguma segurança. Mas há os que conseguiram se mudar para a casa de algum parente ou amigo e os que insistem em se manter em suas casas. Dentro do Ciep? Umas 50 famílias, cerca de 80 crianças. Mas é difícil contabilizar.

Apesar de chegarem muitas doações, principalmente da própria comunidade e do comércio ao redor, as condições dos alojados são muito precárias. Falta alimento para as crianças, os horários liberados para utilização da cozinha da escola são restritos, faltam calçados, cobertas, há pressão da direção para desocuparem o lugar… “É horrível ficar aqui. A gente passa cada humilhação!”, desabafa Gisa.

Depois de passar algumas horas vendo e ouvindo as condições em que se encontram os alojados no Ciep, já não parece tão insano o vizinho de Gisa que decidiu continuar em casa, apesar do risco. Manter-se no Ciep, afinal, para muitos é uma escolha de luta por segurança e condições de moradia.

A luta por visibilidade

Sexta-feira fomos as primeiras jornalistas a subir o Borel, desde a tragédia, segundo os moradores. “Todo mundo vem e conversa com a gente aqui embaixo, mas não sobe!”. Subimos carregadas por motoboys. De outro modo, não haveria pernas que agüentassem. De moto, o coração é que quase não agüenta. Ainda bem, a descida fizemos a pé. As fotos abaixo são apenas uma pequena seleção de tudo o que foi coletado. Era possível passar o dia inteiro por lá, seguindo moradores que queriam mostrar suas casas e caminhos destruídos, as encostas arranhadas, as pedras pendentes…

A proporção da tragédia no Rio e em Niterói tornou “sem importância” midiática o Borel. Foram “apenas três mortos”. Imagens e histórias sem a espetacularidade necessária ao negócio da notícia, mas não menos surpreendentes. Basta um pouquinho mais de tempo para conseguir ouvir e ver os seres humanos e suas vidas. O caminho foi recheado de histórias…

O que sobrou da casa

-”Isso foi o que sobrou da casa da minha irmã. Ela está de nove meses e queria pegar as coisinhas do bebê antes de sair! O rapaz da Defesa Civil teve que dar um tapa, pra ela acordar!”

“Aqui mora uma moça deficiente. No meio da chuva, o Filho não queria deixar tirar ela de jeito nenhum! Teve que juntar umas cinco pessoas pra segurar ele!”

- “Olha só a pedra que caiu em cima dessa casa!”

Deixe um comentário